quarta-feira, 27 de agosto de 2008

LIBERDADE

De uma forma geral, a palavra "liberdade" significa a condição de um indivíduo não ser submetido ao domínio de outro e, por isso, ter pleno poder sobre si mesmo e sobre seus atos.

O desejo de liberdade é um sentimento profundamente arraigado no ser humano. Situações como: a escolha da profissão, o casamento e o compromisso político ou religioso, fazem o homem enfrentar a si mesmo e exigem dele uma decisão responsável quanto a seu próprio futuro.

A capacidade de raciocinar e de valorizar de forma inteligente o mundo que o rodeia, é o que confere ao homem o sentido da liberdade entendida como plena expressão da vontade humana.

Teorias filosóficas e políticas, de todos os tempos, tentaram definir liberdade quanto a determinações de tipo biológico, psicológico, econômico, social etc. As concepções sobre essas determinações, nas diversas culturas e épocas históricas, tornam difícil definir com precisão a idéia de liberdade de uma forma generalizada.

Do ponto de vista legal, o indivíduo é livre quando a sociedade não lhe impõe nenhum limite injusto, desnecessário ou absurdo. Uma sociedade livre dá condições para que seus membros desfrutem, igualmente, da mesma liberdade. Em 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que engloba os direitos e liberdade que a Organização das Nações Unidas (ONU) considera que devam ser os objetivos de todas as nações.

A liberdade se manifesta à consciência como uma certeza primária que perpassa toda a existência, especialmente nos momentos em que se deve tomar decisões importantes e nos quais o indivíduo sente que pode comprometer sua vida.

O consenso universal reconhece a responsabilidade do indivíduo sobre suas ações em circunstâncias normais, e em razão disso o premia por seus méritos e o castiga por seus erros. Considerar que alguém não é responsável por seus atos implica diminuí-lo em suas faculdades humanas, uma vez que só aquele que desfruta plenamente de sua liberdade tem reconhecida sua dignidade.

O homem tende a exercer a liberdade em todas as ações externas. Quando elas são cerceadas, frustram-se o crescimento e o desenvolvimento do indivíduo e desprezam-se seus direitos e sua dignidade. Entretanto, apesar de toda a violência externa (e em certo grau também as pressões internas), as pessoas são muitas vezes capazes de manter a liberdade de arbítrio sobre seus atos internos (pensamentos, desejos, amor, ódio, consentimento moral ou recusa), preservando assim sua integridade e dignidade, como acontece com pessoas submetidas a situações extremas de privação de liberdades.

Foram as próprias dificuldades teóricas inerentes ao conceito de liberdade que levaram as ciências humanas e sociais a preferirem o termo plural e concreto "liberdades" ao ideal absoluto de "liberdade". Assim, deixando de lado a discussão especificamente filosófica e psicológica, considera-se, cada vez mais, a liberdade como soma das diversas liberdades específicas. Fala-se correntemente em liberdades públicas, políticas, sindicais, econômicas, de opinião, de pensamento, de religião etc. Embora tal procedimento não resolva o problema teórico da natureza da liberdade, pelo menos possibilita avançar na reflexão e nos esforços para ampliar, cada vez mais, o exercício de uma faculdade de importância primordial na vida dos homens e das sociedades.

Resumo Extraído de Enciclopédias
Projeto Renasce Brasil

O primeiro chefe — ou ao mestre com carinho

Este texto de hoje estava em minha cabeça desde setembro. A demora em escrevê-lo se deveu, inicialmente, à dificuldade em lidar com o fato triste que o inspirava. Mas, passado o período de recolhimento, vejo que há um clima propício para trazer o assunto à tona porque ele dialoga bem com as reflexões que venho desenvolvendo neste espaço.

Sempre comento com as pessoas que me cercam que concordo com aquela antiga proposição de que existem estréias na vida que você nunca esquece: o primeiro beijo, o primeiro tombo, o primeiro amor, a primeira grande perda, o primeiro filho, etc, etc. Pois o primeiro chefe também é uma destas "estréias" inesquecíveis, porque ele marca nosso rito de passagem para a vida profissional e pode marcar positivamente ou negativamente.

No meu caso, tive a sorte de ter tido como primeiro chefe um líder inspirador, que apostou em mim, que soube me mostrar claramente os caminhos, mas, principalmente, deu espaço para que eu criasse o meu próprio estilo de trabalhar. Imagino que deve ter sido uma tarefa difícil para ele, pois sempre fui uma pessoa com idéias próprias, que faz tudo com intensidade e paixão, defendendo meus pontos de vista até o fim, o que nem sempre é fácil de administrar.

Em outras palavras, tenho uma alma livre, e se meu primeiro chefe tivesse tentado me aprisionar, talvez eu não tivesse alcançado o grau de realização que tenho hoje. Mas bem no início da minha carreira, naquele período em que a gente aprende mais errando do que acertando, este chefe teve a sensibilidade e a generosidade de perceber que tudo o que eu fazia tinha o sentido de buscar o melhor resultado, ainda que eventualmente eu "metesse os pés pelas mãos", como é comum quando se é jovem. O fato é que meu primeiro chefe soube amparar meu crescimento, dando-me a liberdade na medida certa. Ou seja, sem me puxar para baixo, vetando minhas idéias audaciosas e, ao mesmo tempo, sem me deixar "livre para fazer o que bem entendesse" (o que, muitas vezes, é uma maneira indireta de demonstrar indiferença).


O que ele fez, de uma forma que poucos saberiam fazer, foi exercer seu papel de líder, sem ser seduzido pela tirania que o poder muitas vezes representa. Hoje, que ocupo e exerço a função de chefe, procuro, mesmo depois de tantos anos, me mirar no exemplo dele, dando às pessoas que trabalham comigo a liberdade para serem fiéis aos seus modos de ser, mas sempre deixando claro que estarei por perto caso precisem de mim.

O desafio que foi dele e hoje é meu, de liderar com generosidade e equilíbrio, se estende a qualquer um que ocupe a posição de líder. E ele soube como ninguém superar este desafio. Faço deste artigo uma homenagem a Ricardo de Almeida Prado Xavier, que foi meu primeiro chefe e faleceu no último 19 de setembro, sem que eu pudesse lhe dar um último abraço afetuoso e dizer mais uma vez: "Muito Obrigada!".


*Psicóloga, professora de MBA da FIA, consultora de Recursos Humanos, presidente do Grupo DMRH e Cia. de Talentos. Autora do livro "Virando Gente Grande – Como Orientar Jovens em Início de Carreira". E-mail: sesteves@uol.com.br

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Trecho do livro O Pequeno Príncipe

"... E foi então que apareceu a rapôsa:
- Bom dia, disse a raposa.
- Bom dia, respondeu o príncipezinho, que se voltou, mas não viu nada.
- Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira. . .
- Quem és tu? perguntou o príncipezinho. Tu és bem bonita. . .
- Sou uma rapôsa, disse a rapôsa.
- Vem brincar comigo, propôs o príncipezinho. Estou tão triste. . .
- Eu não posso brincar contigo, disse a rapôsa. Não me cativaram ainda.
- Ah ! desculpa, disse o príncipezinho.
Após uma reflexão acrescentou:
- Que quer dizer "cativar" ?
- Tu não és daqui, disse a rapôsa. Que procuras ?
- Procuro os homens, disse o príncipezinho. Que quer dizer "cativar" ?
- Os homens, disse a rapôsa, têm fuzis e caçam. è bem incômodo ! Criam galinhas também . É a única coisa interessante que eles fazem . Tu procuras galinhas ?
- Não, disse o príncipezinho . Eu procuro amigos. Que quer dizer "cativar"?
- É uma coisa muito esquecida, disse a rapôsa. Significa "criar laços . . ."
- Criar laços?
- Exatamante, disse a rapôsa. Tu não és para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil de garotos. E eu não tenho necesseidade de ti. E tu não tem necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma rapôsa igual a cem mil outras rapôsas. Mas se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo. . .
- Começo a compreender, disse o príncipezinho. Existe uma flor. . . eu creio que ela me cativou...
- É possível, disse a rapôsa. Vê-se tanta coisa na Terra. . .
- Oh ! não foi na Terra, disse o príncipezinho.
A rapôsa pareceu intrigada:
- Num outro planeta ?
- Sim .
- Há caçadores nesse planêta ?
- Não.
- Que bom ! E galinhas?
- Também não.
-Nada é perfeito, suspirou a rapôsa .
Mas a rapôsa voltou à sua idéia.
- Minha vida é monótona. Eu caço as galinhas e os homens me caçam. Tôdas as galinhas se parecem e todos os homens se parecem também. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol. Conehcerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música. E depois, olha ! Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste ! Mas tu tens cabelos côr de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo. . .
A rapôsa calou-se e considerou por muito tempo o príncipe:
-Por favor. . . cativa-me ! disse ela."


Você se torna responsável por tudo aquilo que cativas...

Análise do filme Antes de Partir

O filme Antes de Partir tem em seu elenco principal Morgan Freeman, interpretando Carter Chambers e Jack Nicholson como Edward Cole, ambos pessoas totalmente diferentes, que aos poucos foram se conhecendo e aprendendo um com o outro.

Carter Chambers, é homem casado e há mais de 40 anos trabalha como mecânico. Ingressou na faculdade, mas por opção, preferiu criar os seus filhos e após a formação deles, voltaria a estudar.

Edward Cole, é empresário e dono do hospital. Está internado no mesmo quarto que Carter. Teve quatro casamentos fracassados, vive sozinho e não tem amigos, ao contrário de Carter que tem sua família sempre apoiando.

O filme demonstra claramente a foma como cada um pensa e lida com a vida. Enquanto Carter é uma pessoa mais simples e que dá valor a vida. Edward é autoritário, muito inteligente, excêntrico e extremamente ansioso.

Podemos fazer uma ligação do filme com o conteúdo visto até o momento em Estilos de Liderança, onde cada um lidera à sua maneira, de forma que ambos vão se descobrindo no desenrolar da história.

Maneiras de pensar diferentes e isso faz a diferença, pois um complementa o outro. Vejo que são essas diferenças que nos acrescentam e nos tornam capazes de distinguir de qual forma podemos liderar. As pessoas são complexas por natureza e como tal, estamos sempre buscando o aperfeiçoamento pessoal.

Carter foi um bom líder, pois ele soube valorizar cada individuo, e acima de tudo, lidar com os conflitos que vinham no decorrer. Já Edward, sempre na defensiva, talvez demonstrasse ser mais impulsivo em alguns momentos, audacioso e nem por isso deixou de acrescentar algo ao Carter. Posso ver claramente que Edward aprendeu a ser mais humanista, a importância de não ficar sozinho e de perdoar.

Ficou evidente neste filme, o grau de importância dos dois personagens, em como cada um enfrenta as dificuldades. Um lidera a situação com otimismo, dando idéias para realizarem juntos. O outro achou besteira, mas acabou cedendo e mudando as suas atitudes em virtude da vida que vivera até então.

Percebo que as pessoas no geral, quando começam a olhar para si, percebem o quanto de interessante podem fazer e aprender. Saber ouvir e compreender o próximo. E além disso, nem sempre uma palavra dita pode ser bem interpretada, mas a forma como agimos diante de tal situação.

Como lideres souberam valorizar cada gesto, tiveram idéias e juntos foram desenvolvendo suas habilidades. Os dois juntos souberam liderar a situação em que se encontravam (a doença), onde um manteve a esperança no outro e uma história de amizade, companheirismo, reconquistas e aprendizados tiveram.


Por: Andressa Rigotti Heinemann

Significados de Deficiente

Deficiente é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino;

Louco é quem não procura ser feliz com o que possui;

Cego é aquele que não vê seu próximo morrer de frio,de fome, de miséria. E só tem olhos para seus míseros problemas e pequenas dores;

Surdo é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês;

Mudo é aquele que não consegue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia;

Paralítico é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.

Diabético é quem não consegue ser doce;

Anão é quem não sabe deixar o amor crescer.

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Demissão de ALEXANDRE GARCIA

video

Que hipocresia!! Olha o país em que vivemos??
As pessoas não podem se quer expressar o que sentem com relação aos caos...
Isso me irrita profundamente.
Dou o maior apoio as pessoas que como Alexandre Garcia, expõem suas opiniões e sentimentos. Assim como ele, também opino sem ter medo, mas com a firme certeza de que um dia o mundo vai progredir.

COMO LIDAR COM A MUDANÇA

É necessário encará-la como um processo organizacional que precisa ser gerenciado.

O processo de mudança está inexoravelmente ligado à dinâmica das organizações. Para crescer e manter a competitividade, as empresas precisam se adaptar às transformações do ambiente, promovendo ajustes em seus processos ou mesmo acelerando seu crescimento por meio de fusões ou aquisições. Qualquer que seja a dimensão da mudança, é necessário encará-la como um processo organizacional que precisa ser gerenciado.

Podemos definir a gestão da mudança como um conjunto de práticas que visam dar suporte ao processo de transformação, fazendo com que a organização evolua para um estado futuro desejado, de maneira efetiva e com o menor desgaste possível, reduzindo o risco de insucesso.

Um dos erros mais freqüentes nas ações de gestão de mudança é subestimar o efeito do processo sobre elas. Algumas das manifestações mais comuns de resistência de equipe à mudança são: oposição expressa, lentidão calculada ou diminuição da produção, ausência e/ou falta de pontualidade, protestos, apatia, entre outros.

Embora não existam “receitas” 100% testadas e aprovadas, há algumas práticas que auxiliam o líder na construção de um ambiente propício à mudança:

- Identificação clara da ameaça, tensão ou insatisfação com a situação vigente – O impulso para a mudança é favorecido à medida que esses elementos são claramente percebidos como realmente preocupantes.

- Percepção dos benefícios produzidos pela mudança – Quanto maiores forem os benefícios percebidos, maior será sua aceitação.

- Disseminação da informação e entendimento da mudança – Quanto mais compreensível e comunicável for a transformação, mais fácil será para aceitá-la.

- Apoio da direção da empresa – A mudança é favorecida quando a direção a apóia e se preocupa com seus objetivos, formas de implementação e conseqüências.

- Congruência entre as necessidades de mudança e a cultura – Quanto maior a distância entre a cultura organizacional e a mudança desejada, menor a chance de sucesso na implementação.

- Clima de apoio – A mudança tem maior receptividade quando ocorre em um ambiente de relações interpessoais efetivas, em que o clima geral é de respeito e apoio aos colaboradores.

- Identificação e gestão dos stakeholders (principais envolvidos) – Considere os grupos de interesse, sua importância e o que pode afetar a viabilidade do processo de mudança, possibilitando diminuir os riscos em seu desenvolvimento.

- Desenvolver pessoas – Comprometa-se com o crescimento de seu pessoal por meio do incentivo à aquisição de habilidades e do cultivo do aprendizado mútuo.

- Recompensa – Reconhecer os méritos e incentivar a equipe durante o processo. Recompense esforços e não apenas resultados.

- Tenha um patrocinador para o processo de mudança – A formação de patrocínio forte com poder para legitimar e com disposição para implementá-la é essencial.

Por: Eliane Rosim, consultora do IDORT/SP

Fonte: Revista Liderança, Junho de 2008

UM BOM ATENDIMENTO

Um fósforo, uma bala de menta, uma xícara de café e um jornal.
Estes quatro elementos fazem parte de uma das melhores histórias sobre
atendimento que conhecemos.
Um homem estava dirigindo há horas e, cansado da estrada, resolveu procurar
um hotel ou uma pousada para descansar.
Em poucos minutos, avistou um letreiro luminoso com o nome: Hotel Venetia.
Quando chegou à recepção, o hall do hotel estava iluminado com luz suave.
Atrás do balcão, uma moça de rosto alegre o saudou amavelmente:

- Bem-vindo ao Venetia!
Três minutos após essa saudação, o hóspede já se encontrava confortavelmente instalado no seu quarto e impressionado com os procedimentos: tudo muito
rápido e prático.
No quarto, uma discreta opulência; uma cama, impecavelmente limpa, uma
lareira, um fósforo apropriado em posição perfeitamente alinhada sobre a
lareira, para ser riscado.
Era demais!
Aquele homem que queria um quarto apenas para passar a noite começou a
pensar que estava com sorte.
Mudou de roupa para o jantar (a moça da recepção fizera o pedido no momento
do registro). A refeição foi tão deliciosa, como tudo o que tinha experimentado, naquele local, até então. Assinou a conta e retornou para quarto.
Fazia frio e ele estava ansioso pelo fogo da lareira. Qual não foi a sua surpresa!
Alguém havia se antecipado a ele, pois havia um lindo fogo crepitante na lareira.
A cama estava preparada, os travesseiros arrumados e uma bala de menta sobre
cada um... Que noite agradável aquela!
Na manhã seguinte, o hóspede acordou com um estranho borbulhar, vindo do
banheiro. Saiu da cama para investigar.
Simplesmente uma cafeteira ligada por um timer automático, estava preparando
o seu café e, junto um cartão que dizia: 'Sua marca predileta de café: Bom apetite!'
Era mesmo! Como eles podiam saber desse detalhe?
De repente, lembrou-se: no jantar perguntaram qual a sua marca preferida de café.
Em seguida, ele ouve um leve toque na porta.
Ao abrir, havia um jornal. 'Mas, como pode?! É o meu jornal! Como eles adivinharam? '
Mais uma vez, lembrou-se de quando se registrou: a recepcionista havia perguntado qual jornal ele preferia.
O cliente deixou o hotel encantando. Feliz pela sorte de ter ficado num lugar tão acolhedor.
Mas, o que esse hotel fizera mesmo de especial?
Apenas ofereceram um fósforo, uma bala de menta, uma xícara de café e um jornal.
Nunca se falou tanto na relação empresa-cliente como nos dias de hoje.
Milhões são gastos em planos mirabolantes de marketing e, no entanto, o cliente está cada vez mais insatisfeito mais desconfiado.
Mudamos o layout das lojas, pintamos as prateleiras, trocamos as embalagens, mas esquecemos-nos das pessoas.
O valor das Pequenas coisas conta, e muito. A valorização do relacionamento com o cliente.
Fazer com que ele perceba que é um parceiro importante!
Lembrando que:
Esta mensagem vale também para nossas relações pessoais (namoro, amizade,
família, casamento) enfim pensar no outro como ser humano é sempre uma
satisfação para quem doa e para quem recebe.
Seremos muito mais felizes, pois a verdadeira felicidade está nos gestos
mais simples de nosso dia-a-dia que na maioria das vezes passam despercebidos.

Dedicação ao próximo...

Estou prestes a revelar o que sinto em relação a tudo...

Cansei de tanta hipocresia, das pessoas acharem que são melhores que as outras.
Cansei de dizer que é certo algo que se quer eu concordo de fato.
Cansei de aturar gente chata e sem nenhuma graça.
Cansei de fazer nada pelas pessoas e por mim.
Cansei de ficar discutindo assuntos pra lá de Bagdá.
Cansei dessa gente e desse papo furado.
Cansei de pessoas negativas, que só sabem reclamar e dizer que nada está bom.
Cansei de ser amiga e as pessoas não me valorizarem.
Cansei de dizer sim quando a minha vontade é não.
Cansei de tudo, só não cansei de lutar por um mundo melhor!

Não vai ser a falta de amor e de ação das pessoas, que vai me deixar receosa.
Quanto maior a tempestadde, maior será a alegria de desbravar um caminho cheio de coragem e esperança.
Vou fazer de tudo para que as pessoas mudem, que seus corações estejam mais abertos e sejam mais humanas.
Como diz uma frase de meu mestre de vida, Daisaku Ikeda:
"A grandiosa revolução humana de uma única pessoa irá um dia impulsionar a mudança total do destino de um país e além disso, será capaz de transformar o destino de toda a humanidade".

Com essas palavras quero deixar gravada esta frase em minha vida em prol da felicidade das pessoas.

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

...
Quantas chances disperdicei
Quando o que eu mais queria
Era provar pra todo mundo
Que eu não precisava
Provar nada pra ninguém
...
Renato Russo - Eterno
"Não basta querer, devemos lutar sem ter medo de perder!!!
  • Coragem
  • Perseverança
  • Humildade na medida
  • Amar ao próximo
  • Ter esperança
  • Sempre acreditar
  • Conquistar
  • Lutar
  • Vencer
  • Perder e dar a volta por cima
  • Ser verdadeiro
  • Ensinar
  • Aprender
  • Errar
  • Rir
  • Chorar
  • Ser amigo
  • Viver
  • Sonhar
Enfim, acreditar sempre acima de tudo!!"

Vida e Morte

A vida e a morte andam juntas, segundo o meu entendimento.
Posso estar enganada, mas não creio que a morte possa ser o fim de uma vida.
Acredito que a morte é a segunta etapa de uma missão a ser cumprida.
Digamos que a vida seja a etapa de aprendizados, tropeços e conquistas.
E a vida é uma forma de aplicarmos todos esses conhecimentos adquiridos!!
Acho que poderiamos mudar o nome de morte, para quem sabe "continuação" ou "nova caminhada".
Respeito a opinião das pessoas e sei que para muitos esse meu conceito pode estar errado.
Mas vejamos só: O que é certo e errado??
Ninguém sabe os seus significados...
O que o homem fez foi criar uma idéia apenas do que possa ser.
Sou contra a essa idéia de que tal coisa é errada ou feia. Isso é coisa dessa sociedade mesquinha.
Como falei no ínicio, a vida e a morte andam juntas e isso nunca vai mudar, a menos que me provem o contrário.
Me desculpem , mas opinião é opinião. Cansei de aceitar as coisas como elas são... quero sempre ir além!!
Pensamentos soltos, palavras repetidas, mentiras criadas, nada disso me abstrai.
Só quero conscientizar esse mundo do que realmente importa e do que realmente somos capazes!!
Pense bem: Não adianta chorar sobre o leite derramado.
Conscientize-se já!!

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Cursos Online

Pessoal,

Acho bem interessante esta idéia, nos poupa tempo e dinheiro, além de aprendermos algo.
O custo e beneficio são imensos.
Estou fazendo cursos assim e posso garantir que o resultado só depende de nós.
Fica esta mensagem de consideração ao site. Por favor divulguem para seu contatos, eu agradeço!!

http://www.cursos24horas.com.br/parceiro.asp?cod=promocao3835&id=4143